Tag Archive: anime


Acabo de assistir alguns episódios de Brave 10 e a minha irritação exige que eu escreva este post da revolta.

Brave 10 poderia ser um anime bacana. O design é bonito, a animação tem qualidade e a história é razoavelmente interessante. O que estraga é a Izanami, que parece a reencarnação da Miaka de Fushigi Yuugi (aaarrrghhh). Chorona, inútil e sem simancol – como é que uma jovem que não sabe se defender insiste em acompanhar guerreiros numa missão perigosa? Que menina “bondosa” é essa que se fia nos outros para defendê-la enquanto se mete em encrenca após encrenca? Não há nenhuma qualidade redentora nela, nem humor, nem beleza, nenhuma característica instigante, nada.

Brave 10

Brave 10: a Izanami está chegando perto de destronar a Miaka como “personagem mais chata da história” na minha lista pessoal de animes…

Uma das razões para eu gostar de yaoi, shonen ai, fanservice é a escassez de bons personagens femininos. Eu entendo que os homens tenham lá as suas fantasias – ser um herói e salvar donzelas em perigo, essas coisas. Acho perfeitamente razoável que mangás/animes voltados para o público masculino tenham donzelas indefesas em profusão. Também entendo que mesmo hoje em dia, muitas meninas ainda sonham ser a princesa salva pelo herói galante e bonitão. Não vejo problema nisso. O que me desagrada é quando tentam vender gato por lebre. O que me desagrada são os estereótipos pobres, sem fundamentos sólidos (sim, estereótipos com fundamentos sólidos existem, e os grandes personagens dos contos de fadas são um bom exemplo disso), sem absolutamente nada de interessante. Abaixo seguem alguns tipos de personagens femininos comuns em mangás e animes que me irritam demais.

Estereótipo 1: a moça que dizem ter um IMENSO PODER, que todos estão ávidos por conseguir, mas que passa o anime inteiro sendo salva de tentativas de sequestro, assassinato, etc., chorando e se descabelando porque “está causando problema para todos” mas NUNCA FAZ PORCARIA NENHUMA COM O PODER QUE TEM. E o pior, quando ela tenta buscar formas de  se defender, de fazer alguma coisa sozinha, sempre se mete em encrenca e “aprende” que o melhor que ela pode fazer é “confiar” no seu herói para salvá-la do perigo.

Estereótipo 2: a moça que é apresentada como uma PODEROSA GUERREIRA, que nunca foi derrotada antes… e por algum golpe baixo da imaginação do escritor (envenenamento, doença terminal, etc) acaba sendo aprisionada pelo vilão e salva pelo herói QUE NÃO TINHA UM DÉCIMO DO PODER DELA.

Estereótipo 3: a moça que chega desafiando o herói, insistindo em competir em pé de igualdade com ele… apenas para se apaixonar por ele e começar a “perceber” como “as costas de um homem são largas” e “como ela foi tola de achar que poderia ser melhor do que ele”. AAhh, que nojo, que asco!

Para mim, isso é enganar o espectador. Como eu já disse antes, não tenho nada contra donzelas-em-perigo, desde que sejam honestas. Há muitas formas inteligentes e divertidas de construir esse tipo de personagem sem recorrer a golpes baixos.

EU NÃO GOSTO

fushigi yuugi

TAMAHOMEEEE! Nunca um personagem feminino me irritou tanto quanto a Miaka de Fushigi Yuugi.

saint seiya

Atena de Saint Seiya: como é que alguém que dizem ser a reencarnação de uma deusa-guerreira, que nem mesmo o próprio Deus da Guerra vencia em combate, pode ser tão inútil?

angelique

Angelique: “kawaii” sem substância é que nem doce malfeito: enjoativo, melado e deixa um gosto ruim na boca depois.

EU GOSTO

zatch bell

Zatch Bell tem um bom elenco feminino: a hilária “donzela indefesa” Suzy, a discreta e eficiente Megumi, as lutadoras Cherry e Li-en.

sket dance

Sket Dance: a série ainda não terminou, mas pelo menos por enquanto a Hime tem o meu respeito. Ela é forte, extremamente engraçada e muito humana. Espero que o anime não mude de rumo e ela acabe “descobrindo a sua feminilidade” – o que, nos animes, quase sempre significa ser submissa aos homens.

Ikoku meiro no croisse

Ikoku Meiro no Croisse: A minúscula e delicada Yune é a prova irrefutável que “kawaii” não precisa ser sinônimo de “irritante”. Ela consegue ser uma protagonista fofíssima sem melodrama, sem lágrimas, e com muita força interior.

Pra encerrar este post revoltado, retorno a Brave 10 que foi o estopim de tudo: como eu disse, a Izanami é um porre, mas eu pretendo assistir mais alguns episódios por causa dos outros personagens que são bem interessantes. Gosto da versão deles do Sarutobi Sasuke (bem diferente daquele de Sengoku Basara) e da Anastacia, ela sim me parece um personagem feminino que vale a pena, se bem que tenho muito receio de que a ninja russa não vá ter um final feliz nessa história. Só o futuro dirá se Brave 10 vai merecer uma review completa aqui ou não.

Yakko, over and out.

Advertisements

Depois de um longo hiato (explicado no post anterior), aqui vai a parte 2 de comentário sobre KKM. Aqui vou tratar especificamente dos principais “casais” da série. ATENÇÃO! Este post contém spoilers para toda a série!

CONRAD X YUURI
Conrad e Yuuri

Não, isto não é fanart, aconteceu mesmo no anime...

 

A relação destes dois já foi interpretada de tudo quanto é jeito. O certo é que Conrad, seja como amante, figura paterna ou “modelo a ser seguido”, é uma pessoa de grande importância afetiva para Yuuri. Além da cena acima, há diversos indícios da força dos laços que os unem: a forma como Conrad se desespera quando não consegue impedir o sequestro de seu jovem Rei no arco inicial da série, a imensa tristeza de Yuuri de não poder ter Conrad a seu lado no “Arco da Traição”

 

As frases de Conrad são uma atração à parte. Vejamos algumas (desculpem se não uso as palavras exatas, já faz anos que assisti o anime e estou sem tempo pra pesquisar isso na internet).

“… minha espada é sua. E se Sua Majestade assim o desejar, também será o meu corpo e minha vida.”

Conrad: “Se sua Majestade morrer, Gunter irá chorar.”

Yuuri: “E você, Conrad? Choraria por mim se eu morresse?”

Conrad: “Se isso acontecesse, nós nos encontraríamos em outro lugar.” (a frase fica estranha em português, mas basicamente significa que Conrad acompanharia Yuuri na morte)

“Eu juro que jamais o deixarei sozinho, Yuuri.”

conyuu

E não, isto também não é fanart, é o mangá original...

Há também o fato de que Yuuri é a reencarnação de Suzana Julia, que foi “uma pessoa importante” na vida de Conrad. O anime nunca deixa claro o que havia entre os dois, mas pessoalmente, eu acredito que era amor, pelo menos por parte de Conrad. Afinal, quando Ulrike o encarrega de levar a alma de Julia para a Terra, ele questiona se a escolha foi acertada.

Conrad: “Eu poderia quebrar este frasco, colocar a alma dela em uma criança de minha escolha e criá-la à minha maneira. Eu teria total controle sobre o futuro Maou.” 

Ulrike: “Ou você poderia fugir e se esconder com este frasco em algum lugar distante e viver tranquilamente com ela para sempre. É isso o que você realmente gostaria de fazer, não é, Conrad?” 

conrad e yuuri

Minha vida pertence ao rei Yuuri!

Dito isso, também é importante apontar que Yuuri parece meio desapontado quando descobre toda a história sobre Conrad e Julia. Ele pensa, “então ele é assim dedicado a mim só por que eu tenho a alma dela…”  É quase como se ele tivesse ciúmes de sua encarnação anterior.

 

 

 

 

 

 

YUURI X WOLFRAM OU WOLFRAM X YUURI
Yuuri and Wolfram

Aaahh, o amor...

 

 

No caso desses dois, dá pra imaginar as duas possibilidades. As shippers deste par alegam que é praticamente “oficial”, já que Wolfram é “noivo” de Yuuri, sem contar as diversas cenas cômicas da dupla.

Pessoalmente, acho que pelo menos até o Arco da Traição, tudo não passa de brincadeira e eles são apenas dois garotos que começam brigando e acabam virando amigos. Depois, a coisa muda de figura. Com Yuuri desaparecido e Conrad presumivelmente morto, Wolfram toma para si a missão de salvar o seu rei. Ele, que sempre foi orgulhoso e mimado, aceita viajar com Gisela e seus soldados em condições humildes, sem enjoar no navio nem reclamar da comida simples. Wolfram amadurece, torna-se mais gentil e mais firme, e quando finalmente reencontra Yuuri, ele já é forte o suficiente para apoiar o seu rei de uma forma muito mais segura e sólida. A expressão em seu rosto quando ele segura Yuuri pelo braço, salvando-o de cair de um precipício, já não tem nada de moleque mimado. E ele diz, “finalmente te peguei!”

Não que Wolfram não tivesse dado nenhuma mostra de amadurecimento antes. Desde a chegada de Yuuri, Wolfram vem mudando. Apenas me parece que o processo se acelerou bastante no Arco da Traição. Uma coisa que me irrita um pouco referente ao Wolfram é que o anime explora muito pouco o lado sério dele. Embora pareça ter a mesma idade de Yuuri, ele viveu muito mais, e principalmente, viveu num mundo perigoso, cresceu num período de guerra. Wolfram podia ser muito mais fodão sem deixar de ser engraçado (como o Yozak, por exemplo).

 

 

 

YUURI X MURATA OU MURATA X YUURI
Yuuri and Murata

Oieee! Sou Murata Ken, sua alma gêmea!

Mais um par que qualquer dos dois pode ser uke ou seme. A favor deles nós temos o fato de que o destino de Murata já estava ligado a Yuuri desde antes dos dois nascerem: Doc Rodriguez, responsável pela alma do primeiro, ajudou Conrad quando este veio à Terra trazendo a alma de Julia para reencarnar no segundo. Quando os dois liberaram as almas, Conrad fez uma oração ao sol, Rodriguez fez o mesmo para a lua. Além disso, Murata é a chave para Yuuri viajar de um mundo para outro. Mais tarde ficamos sabendo que, embora tenha muito poder, Murata funciona mais como um amplificador do poder de Yuuri. Enfim, os dois com certeza tem uma forte conexão.

Pessoalmente, acho que o Murata não tem muito interesse romântico. Ele gosta de Yuuri, mas acho que o peso de lembrar de todas as suas encarnações anteriores deve tornar a visão que ele tem do amor muito diferente da maioria dos mortais.

 

 

YOZAK X YUURI
Yozak and Yuuri

O guri está a salvo comigo.

O Yozak é um dos personagens secundários que eu mais gosto. Ele é engraçado, bem-humorado, amigo leal e profissional ultra-competente. Além disso, a voz dele é muito sexy.

Assim como Wolfram e Gwendal, Yozak duvida da capacidade de Yuuri como Maou no início, mas depois que este prova o seu valor, torna-se tão leal e dedicado quanto Conrad, embora não tão protetor. Yozak vê Yuuri como um garoto que precisa de espaço e desafios para crescer, e não acha nada demais deixar que ele tente se virar sozinho de vez em quando. O que não significa que Yozak não seja capaz de dar a sua vida para salvar o seu rei.

conrad and yozak

Amigos de infância...

conrad and yozak

... ou algo mais?

 

Yozak também é frequentemente cogitado pelas fujoshi como amante de Conrad e também fazendo par com o Murata. No primeiro caso, os dois são amigos de infância, salvaram a vida um do outro diversas vezes, e no mangá eles aparecem juntos de uma forma meio sugestiva. No segundo caso, depois que Murata se revela como a reencarnação do Grande Sábio Yozak frequentemente se encarrega de servi-lo e protegê-lo, e os dois costumam trabalhar juntos para ajudar Yuuri a sair de enrascadas.

GWENDAL X YUURI

gwendal and yuuri

Engraçado a frequência com que Yuuri aparece nessa posição...

Este pairing aconteceu durante a busca da Makyou, ou Flauta Demoníaca, em que Gwendal e Yuuri se perdem no deserto. Apesar de rabugento e carrancudo, Gwendal, como os espectadores logo descobrem, adora tudo o que é pequeno e fofo – crianças, bichinhos (reais ou de brinquedo), essas coisas. Tudo acontece como numa comédia romântica: uma noite, Yuuri queixa-se de frio e Gwendal sugere (ou melhor, ordena) que ele chegue mais perto para “compartilhar o calor corporal”. Yuuri acaba dormindo quase no colo do general. Depois, eles são confundidos com um casal de amantes em fuga, perseguidos e presos. Um apanha tentando proteger o outro. Quantas vezes não vimos isso em romances de Hollywood? Claro que em KKM todos esses clichês vem temperados com saudáveis doses de humor.

Entretanto, depois da aventura no deserto, o casal Gwendal x Yuuri não foi pra frente. Tirando a lealdade e confiança que foi definitivamente conquistada, Gwendal não mudou muito o seu comportamento em relação ao jovem rei. De todos os personagens principais, acho que ele foi o menos afetado por Yuuri.

gwendal e gunter

A cena do beijo. Pena ter sido "acidente", né?

Outro par popular para Gwendal é Gunter, já que os dois praticamente governam Shin Makoku juntos enquanto Yuuri ainda não tem condições para assumir o trono por completo. Há a famosa cena do beijo, em que Gwendal é forçado a beijar Gunter – ou melhor, a tiara mágica que ficou entalada na cabeça do Gunter. Além disso, quando os dois discutem, às vezes eles realmente soam como um casal de meia-idade, haha.

 

 

 

GUNTER X YUURI

gunter e yuuri

Eu, Gunter, vivo para servir a Vossa Majestade...

Gunter é o personagem que mais abertamente se encanta com Yuuri. Assim como Conrad, desde o início ele jamais duvida da capacidade do jovem Maou. Ele alimenta as mais extravagantes fantasias românticas sobre Yuuri (o episódio em que ele vai parar numa espécie de mosteiro e tem suas odes de amor ao Rei reveladas para os monges é hilária). Curiosamente, um dos personagens da série definiu a relação Gunter=>Yuuri como a de um “vovô coruja e seu primeiro neto”. Até que faz sentido se pensarmos que Gunter, apesar da bela aparência, é provavelmente o mais velho dos personagens principais – afinal, ele foi tutor do Conrad.

O que eu gosto no Gunter é que, apesar de funcionar como comic relief a maior parte do tempo, ele é fodão. Sabemos desde o início da série que ele é um dos, ou talvez o melhor espadachim do reino. Apesar de seu carinho por Conrad, Gunter não hesita em lutar para valer quando acredita que seu ex-aluno tornou-se um traidor. Ele pode até bancar o herói misterioso como no episódio em que viaja incógnito pelas partes mais longínquas do reino e ajuda uma jovem a salvar sua cidade, no estilo dos antigos filmes de cowboy.

 

 

 

 

SARALEGUI X YUURI OU YUURI X SARALEGUI

saralegui and yuuri

Olhe nos meus olhos, Yuuri, seja meu escr... quero dizer, amigo!

Saralegui é talvez o único personagem pelo qual Yuuri chega a demonstrar algum indício de atração romântica. No episódio em que os dois estão escondidos numa espécie de mausoléu, Yuuri observa que Sara é “muito bonito” e fica com o rosto vermelho. E Saralegui é deliberadamente sedutor, usando dos mais variados artifícios para se aproximar do Maou – por motivos que parecem claramente egoistas no início, mas que aos poucos vamos descobrindo que não é bem assim.  Ele chega a conseguir uma espécie de domínio hipnótico sobre Yuuri até mesmo quando ele se transforma em Maou, o que pessoalmente eu acho que só seria possível se houvesse um sentimento muito especial da parte dele. De qualquer forma, Sara é um rapaz bastante confuso, ao mesmo tempo que tem inveja e ciúme por Yuuri ter tudo o que ele não tem, também parece querer, lá no fundo, uma verdadeira amizade.

 

 

CONCLUSÃO

Em termos de fanservice, embora a linha principal do anime seja “todo mundo x Yuuri”, existem alguns casais paralelos bem interessantes. Graças a sua longa duração, KKM teve todo o tempo necessário para desenvolver seus personagens ao máximo. Infelizmente, mesmo assim, algumas linhas promissoras foram meio que negligenciadas como o relacionamento entre Gisela e Gunter – eles quase não tem cenas juntos embora sejam pai e filha – e Gisela e Wolfram. Acho que o relacionamento deles poderia ser mais aprofundado mesmo que não fosse romântico já que ela de certa forma participa de um rito de passagem dele.

KKM vai ser para sempre um de meus animes favoritos e espero, algum dia, conseguir ler o mangá e as novels todas…

Yakko, over and out.

 

Gankutsuou

Gankutsuou é uma versão para anime de "O Conde de Monte Cristo", de Alexandre Dumas

Gankutsuou é o que os americanos chamam de “must-see”, na minha humilde opinião.

 

Primeiro, é um clássico de Alexandre Dumas. Apesar de ser mais uma releitura do que uma adaptação propriamente dita, todos os elementos importantes estão lá: amor, amizade, traição, ódio, vingança, numa história que nunca perde a força mesmo com o correr dos séculos.

 

Segundo, o visual é de cair o queixo. Um trabalho original, riquíssimo, primoroso, uma espécie de barroco-futurista-retrô que só podia dar certo nas mãos da genial equipe do estúdio Gonzo.

Albert e o Conde

O ingênuo Albert encanta-se com o misterioso, elegante e poderoso Conde de Monte Cristo...

Gankutsuou

... ele nem suspeita das verdadeiras intenções do Conde.

Por fim, a excelente caracterização. Todos, desde o fascinante Conde de Monte Cristo até personagens secundários como Peppo despertam interesse.

 

Bom, e o yaoi? Tem sim, embora não haja nada explícito, há declarações rasgadas e atos heróicos em nome do amor.

 

ATENÇÃO, DAQUI EM DIANTE HÁ SPOILERS!


Franz e Albert

"Você desistiria de amar alguém só por não poder casar com essa pessoa?"

Franz x Albert

Para mim, Franz é um dos personagens mais doces e  generosos da série. Tudo o que ele quer é ver o Albert feliz. Ele está sempre ali, protegendo, apoiando, sem nunca pedir nada em troca. O amor de Franz por seu amigo fica muito claro em dois momentos do anime.

No primeiro momento, ele e Maximillien estão conversando enquanto observam o Conde cuidar de Albert, que havia acidentalmente ingerido a água envenenada que se destinava a Valentine. Maximillien comenta que parece existir um laço muito forte entre Franz e Albert, uma ligação tão sólida que não sobra espaço para Valentine (que era oficialmente a noiva de Franz) Quando Maximillien fala que sua intenção é mover céus e terra para casar-se com Valentine, Franz o questiona: “mas casar-se é a única forma de amar alguém? E se o casamento fosse impossível? Você desistiria de amar só por não poder ficar junto com a pessoa?” E, enquanto fala, ele olha para Albert.

No segundo momento, já perto do final, Franz deixa Albert dormindo sob efeito de um sonífero para poder lutar com o Conde no lugar do amigo, mesmo sabendo que não teria a menor chance de vencer. Franz faz um sacrifício supremo, deixando-se abater, na esperança de conseguir matar o Conde quando ele se aproximasse para dar o golpe final. Tudo para salvar Albert da vingança de Monte Cristo.

O último diálogo entre Franz e Albert me levou às lágrimas. Não pelo que foi dito, mas pelo que não foi. E por tudo o que aconteceu antes. Wah.

 

Conde e Albert

O Conde seduz Albert na intenção de destruí-lo. Conseguirá?

 

 

Monte Cristo x Albert

 

O Conde de Monte Cristo seduz a todos que ele considera instrumentos para sua vingança. Ele seduz a sra. Danglars e a sra. de Villefort com lisonjas e o sr. Danglars com dinheiro. Porém, aquele a quem ele mais quer seduzir é Albert, filho do homem em quem mais confiava e que lhe tirou tudo – a mulher amada, a honra, a liberdade.

Albert, em toda a sua ingenuidade, cai como um patinho. Aliás, ele cai com tanta fé, tanta confiança, que parece deixar o Conde meio desnorteado.

Albert ama o Conde. Isto fica claro no momento em que Monte Cristo o informa que irá deixar Paris. Albert implora que o leve junto, dizendo:

“Eu não quero me separar do senhor!”

Se isso não é uma declaração de amor, o que é? 😉

Isso sem falar nas várias vezes em que Albert fica gaguejando “É que eu… eu… eu…”, e está na cara que ele quer dizer “eu te amo!” Começa a ficar meio irritante depois de um certo tempo, dá vontade de dar um tapão nas costas dele pra ver se a frase sai de uma vez, haha… XD

 

Em resumo, Gankutsuou é um anime indispensável na sua DVDteca, quer você goste de yaoi, quer não. Pode não agradar a todos os gostos, mas com certeza causa forte impacto.

 

Obrigado a quem leu até aqui.

Yakko out.